Ou se tem força de vontade, ou não se tem nada... - Por Luiz de Mattos

A vida é luta contínua e uma vez convencido o ser humano de que precisa lutar, reveste-se de força espiritual e passa a lutar com denodo e valor.

Vence-se a si próprio!

Uma pessoa pode regenerar-se quando se convence de que o deve fazer.

Um ser humano enfraquecido pode tornar-se forte, alegre, e bem disposto, desde que se convença de que o pode ser.

Tudo depende de sua força de vontade, do seu valor, da sua reação, pois é um bem saber reagir.

Ou se tem força de vontade, ou não se tem nada...
Por Luiz de Mattos

Saber pensar... é viver as duas vidas, a espiritual e a material! - Por Luiz de Mattos

Clique na imagem
para AMPLIAR
ou
Clique para OUVIR a
Quando a parcela da humanidade que desconhece a vida fora da matéria, reconhecer que ela existe e souber guiar seus pensamentos, para que não seja um veículo das forças negativas, que causam tantos danos e males, tantas desgraças e infelicidades, no dia em que souber pensar, raciocinar e repelir as influências negativas terão paz de espírito para apenas praticar o bem e ter saúde do corpo.

Saber pensar... é viver as duas vidas, a espiritual e a material!

O bom julgador julga por si - Por Luiz de Mattos

Quem sabe ser justo não julga outrem aereamente, pelo que houve dizer.

Todo aquele que pratica uma vilania, um ato de baixeza, pensa que os demais são capazes de praticar coisas semelhantes.

Mas quem é incapaz de praticar um ato vil, de ser mau ou desonesto, julga que os semelhantes podem assim o ser.  Por isso diz-se:

"o bom julgador julga por si"

É preciso, portanto, ter a noção nítida de justiça, para poder julgar os atos de terceiros.

O bom julgador julga por si

Limpe as gavetas de sua memória retentiva! - Por Luiz de Mattos

O indivíduo atrasa a evolução, deixando-se levar por pensamentos mesquinhos.

É dever do ser humano procurar progredir espiritualmente.

Isso pode conseguir saneando os pensamentos, procurando afastar o que sabe ser nocivo.

O animal irracional tem o instinto, mas o ser racional dispõe de inteligência e razão, para fazer boas escolhas, para não se tornar indiferente à voz da consciência e aos avisos.

Usem o pensamento e o livre arbítrio para o bem.

Limpe as gavetas de sua memória retentiva!

Sorria se fores sábio... - Por Luiz de Mattos

O ser que tem valor não precisa propagá-lo. Os bons atos são notados por quem convive com ele.

No mundo, há muita gente de valor que é simples e equilibrada, bem mais valorosa do que aqueles que andam a cata de destaque.

Há muito mais significado para a alma no valor contido, mas real, do que naquele que se externa e não é verdadeiro.

Aprendam a serem moderados, a criticar dentro dos moldes do bom senso e da razão, sempre para levantar o ânimo do semelhante de maneira clara e sincera.

Assim fazendo, serão úteis a si mesmo e aos semelhantes.

Sorria se fores sábio...

O mundo não seria melhor? – Por Jorge Fares

Quais as responsabilidades que tem a pessoa ou grupo de pessoas, que transmitem para outras gerações, conceitos e condutas errôneas?

Se não desse continuidade ao que possa ter aprendido errado em casa ou no ambiente que vive, o mundo não seria melhor?

Se não desse continuidade ao preconceito, qualquer que seja ele (raça, sexo, opção sexual, etc...);

Ao ódio ao seu semelhante, à vingança, à inferiorização e submissão das mulheres, à desonestidade que possa ter ocorrido em sua família para obter poder e dinheiro; aos maus hábitos e conduta inferior; o segredo ao meu ver é: não transmita para as próximas gerações o que está errado.

Respeito ao outro e as vertentes filosóficas - Por Jorge Fares

Na história da humanidade, tantas pessoas deram suas vidas para que a humanidade evoluísse nos costumes, nas condutas para a boa convivência e respeito à individualidade e liberdade.

Quantas injustiças não foram e ainda estão sendo cometidas por intolerância religiosa, preconceitos, falta de amor e respeito para com o semelhante.

Em pleno século XXI, assistimos irmãos matarem irmãos, utilizando como justificativas conceitos religiosos ultrapassados, deturpados, não atualizados por lideres religiosos, sendo estes, corresponsáveis pelos assassinatos, além de limpeza étnica e ódio racial.